Existem tantas opções de rejuntes no mercado, que você pode até ficar em dúvida de qual é o melhor material para usar. Afinal, você quer deixar aquele acabamento de primeira que o cliente adora, não é?

Para não correr o risco de comprar o rejunte errado e acabar interferindo na qualidade final da sua obra, você precisa entender o que cada tipo fornece e onde usar cada um deles.

Pensando nisso, criamos este guia completo para ajudar você a entender tudo sobre rejunte e sempre fazer a melhor escolha. Acompanhe!

Qual é a função do rejunte

Primeiro, você precisa entender a função do rejunte. Ele é um material cremoso e o mais comum é o branco, mas existem várias opções de cores no mercado. Ele deve ser aplicado depois que o piso ou revestimento for colocado. Isso porque ele serve para dar acabamento, vedar, proteger da umidade e evitar que as peças se soltem.

As juntas de dilatação são pequenos espaços entre os revestimentos. São nelas que o rejunte será aplicado. Isso porque a função das juntas é evitar a rachadura das peças, já que elas absorvem a dilatação causada pela variação de temperatura. Para que não haja danos, é importante ainda seguir a recomendação do fabricante sobre o espaçamento.

Mas, antes de falarmos sobre a aplicação do rejuntamento, vamos falar um pouco sobre os materiais onde eles serão aplicados. Assim, ficará mais fácil para você escolher o produto certo. Vamos lá?

Principais tipos de materiais utilizados em revestimento e pisos

Existem vários tipos de pisos e revestimentos no mercado, porém, todos têm algumas características em comum, e é sobre elas que nós vamos falar agora:

Cerâmica

Uma característica do piso de cerâmica é que ele absorve água e isso afeta outras propriedades do produto, como a resistência mecânica. Segundo o Inmetro, as placas de cerâmica para revestimento são classificadas como:

  • porcelanatos: baixa absorção e resistência mecânica alta (BIa Þ de 0 a 0,5%);
  • grês: baixa absorção e resistência mecânica alta (BIb Þ de 0,5 a 3%);
  • semigrês: média absorção e resistência mecânica média (BIIa Þ de 3 a 6%);
  • semiporosos: alta absorção e resistência mecânica baixa (BIIb Þ de 6 a 10%);
  • porosos: alta absorção e resistência mecânica baixa (BIII Þ acima de 10%).

Existe também a cerâmica monoporosa, que é utilizada em paredes.

Porcelanato

Já entre os porcelanatos, existem três tipos de acabamento:

  • natural: sem esmalte ou acabamento;
  • polido: após a queima, recebe uma camada polida, o que dá a aparência vitrificada ao revestimento. Nesse tipo, é mais fácil ocorrerem riscos e manchas;
  • esmaltados: antes da queima, recebe na superfície uma camada de esmalte especial.

É muito importante saber de tudo isso, porque quando você for comprar o rejunte, precisa conferir se ele serve para o tipo de revestimento que será assentado. Existem três tipos de rejuntes disponíveis, e é sobre eles que vamos falar a seguir.

Os 3 tipos de rejunte disponíveis no mercado e suas aplicações

1. Base cimentícia

Sua composição é cimento Portland, areia fina e pigmentos inorgânicos para determinar a cor da peça. Além disso, conta com aditivos especiais, que mostram em qual tipo de revestimento pode ser utilizada. O mais usado no mercado é o tipo II, flexível, indicado para juntas de 2 mm a 10 mm.

Existe também o rejunte do tipo I, que é bem básico e utilizado em áreas internas, de pouco tráfego de pessoas.

O rejunte cimentício é o mais popular por ter baixo custo. Existe uma grande variedade de rejunte cimentício e, dependendo dos aditivos adicionados a ele, também pode ser usado em todos os tipos de pisos e revestimentos, e em todas as áreas, tanto secas quanto molhadas.

Por isso, você precisa prestar atenção na descrição que está na embalagem do produto, para ter certeza de que você está aplicando o rejunte correto para aquele material. Conheça os principais tipos de rejuntes cimentícios do tipo II:

Rejunte colorido para cerâmica e pedras

Esse é um produto impermeável e flexível, que pode ser utilizado em cerâmicas do tipo grês, semigrês, porosas e monoporosas. Além disso, pode ser usado:

  • com pedras naturais;
  • em pisos e paredes (em áreas internas e externas);
  • em fachadas, sacadas, terraços;
  • em áreas expostas às ações do tempo.

Rejunte colorido para cerâmica que imita madeira

Esse tipo de rejunte é indicado para cerâmicas artesanais, porcelanatos e revestimentos inspirados nas texturas das madeiras.

Visto que tem aditivos especiais, apresenta resistência mecânica, flexibilidade e diminui a absorção de água do rejunte. Suas características e recomendações de utilização são:

  • é um produto impermeável e flexível;
  • tem textura fina e acetinada;
  • pode ser utilizado em pisos e paredes (em áreas internas e externas);
  • em juntas de 1 mm a 5 mm e profundidade de até 12 mm.

Rejunte colorido para piscina

É desenvolvido especialmente para uso em piscina. Seus aditivos dão resistência mecânica, flexibilidade e retenção de água, ou seja, a água não entra no produto. Com menor absorção de água do rejunte, o local é protegido contra algas e fungos.

Suas características e recomendações de utilização são:

  • é um produto impermeável e flexível;
  • pode ser utilizado em cerâmicas do tipo grês, semigrês, porosas e monoporosas;
  • em pisos e paredes (em áreas internas e externas);
  • em piscina e áreas molhadas;
  • em juntas de 2 mm a 10 mm;
  • a piscina pode ser usada em 48 horas.

Rejunte colorido para porcelanato, mármores e granito

Esse tipo é produzido especialmente para porcelanato, cerâmicas, mármores, granitos e peças de baixa absorção. Uma vez que contém aditivos especiais, confere resistência mecânica, flexibilidade e diminui a absorção de água do rejunte. Suas características e recomendações de utilização são:

  • é um produto flexível e impermeável;
  • pode ser aplicado em piso, parede e fachada (em áreas internas e externas);
  • em juntas de 1 mm a 5 mm.

Rejunte especial para pastilhas metálicas

É especialmente fabricado para utilização em pastilhas metálicas ou porcelanato revestidas com alumínio ou aço inox, com acabamento polido ou escovado, e em pastilhas espelhadas. Como não tem areia em sua composição, não risca quando é aplicado. Suas características e recomendações de utilização são:

  • tem acabamento acetinado e extremamente fino;
  • pode ser utilizado em ambientes residenciais e comerciais;
  • em paredes (em áreas internas e externas);
  • em juntas de 1 mm a 3 mm;
  • protege contra a formação de fungos.

Rejunte de desempenho superior

Trata-se de um excelente produto, de desempenho superior. Tem textura fina e acetinada e, sendo assim, é feito para rejuntar peças especiais do tipo:

  • porcelanatos grandes e resistentes que imitam peças de concreto;
  • revestimento de texturas variadas que imitam tijolos à vista, madeira e pedras;
  • peças que simulam superfície contínuas, como mosaicos prensados;
  • cerâmicas do tipo quarter;
  • cerâmicas artesanais;
  • porcelanatos técnicos e esmaltados;
  • em pisos, paredes e fachadas (em áreas internas e externas);
  • com juntas de 1 mm a 10 mm.

Preparo do rejunte

Apesar da quantidade de opções de acabamento do rejunte de base cimentícia, o modo de preparo é igual em todos eles.

Para ter certeza que a mistura ficará correta, em uma vasilha de plástico ou metal limpo e seco, misture o rejunte em pó com água limpa até formar uma massa pastosa, firme e sem grumos secos.

Aqui, é importante que você não adicione nada além de água ao produto. A quantidade de pó e água deve ser de acordo com a descrição na embalagem.

2. Base de resina epóxi

Os rejuntes do tipo epóxi são ideais para áreas bem molhadas, como piscinas, saunas, calçadas e fachadas. É um produto que, além servir de barreira contra a água, também é resistente a produtos químicos, como cloro e água sanitária.

Por conter resina em sua composição, tem uma elevada resistência química e mecânica. Inclusive, é impermeável, não deixa que a sujeira grude, além de oferecer uma textura extralisa que facilita a limpeza. Contém biocida e, por isso, é resistente a fungos, algas e manchas.

De forma geral, muitos aplicadores não gostam muito de usá-lo pois são difíceis de misturar, aplicar e limpar. O mercado tem investido em tecnologias para facilitar seu dia a dia com produtos que conferem um excelente acabamento e estão disponíveis em várias opções de cores que não desbotam.

Existem no mercado dois tipos de rejuntes de base de resina epóxi. Você sabe quais são? Confira:

Bicomponente

Nesse rejunte, um dos componentes é a resina epóxi e o outro é o endurecedor com cargas minerais. Para preparar o rejunte, você deve misturar a resina ao endurecedor, formando uma mistura uniforme.

O produto pode ser utilizado em todos os tipos de pisos e revestimentos:

  • porcelanatos;
  • cerâmicas;
  • pastilhas;
  • pedras.

É ideal para utilização tanto em áreas internas quanto externas, em piscinas e saunas, também podendo ser aplicado em juntas de 1 mm a 10 mm.

Tricomponente

O rejunte tricomponente é um produto flexível, totalmente impermeável, ou seja, não absorve água, é resistente a manchas e à formação de mofo e bactérias. Além disso, pode ser utilizado tanto em ambientes internos quanto externos, em juntas de 2 mm a 8 mm para piso, e 2 mm a 5 mm para parede.

É formado por carga mineral, endurecedor e resina. Está disponível no mercado em duas opções:

  • piscina: indicado para uso em piscina, sauna, ou áreas muito molhadas, com cerâmicas de qualquer tipo (grês e monoporosa). Além disso, tem cores estáveis;
  • porcelanato: indicado para porcelanatos esmaltados, polidos ou naturais. Pode ser usado em pedras especiais e cerâmicas em geral, também sendo indicado para cozinhas e banheiros.

Preparo do rejunte

Em um recipiente — que pode ser a própria embalagem —, misture o conteúdo de resina com o endurecedor até obter uma consistência grossa, encorpada e uniforme. Adicione aos poucos o pó na mistura, mexendo até formar uma massa sem grumos.

Nunca adicione água ou qualquer outro produto à mistura. É importante saber ainda que, após o preparo da dela, o produto deve ser usado em até uma hora.

Removedor de epóxi

Após a aplicação do rejunte epóxi, pode ficar algum resíduo no revestimento. Nesse caso, uma boa alternativa de limpeza é o removedor de epóxi, um excelente produto, que, além de limpar os resíduos do rejuntamento, remove manchas de tintas e vernizes.

O removedor de epóxi é indicado para pisos como cerâmica, porcelanato, mármores e granitos. É importante fazer um teste de aplicação do produto antes de sua aplicação.

Também é ideal tanto para limpeza de camadas finas (bruma superficial) quanto para camadas mais grossas (brumas espessas). Nesse caso, basta deixar o produto agir por mais tempo, desde que não ultrapasse o período de uma hora.

3. Base de resina acrílica

O rejunte do tipo acrílico é uma argamassa de rejuntamento desenvolvida com resina acrílica, cimento, areia, pigmentos para colorir, aditivos e polímeros. Como ele é mais liso, tem um melhor acabamento.

De fácil aplicação e limpeza, pode ser encontrado em várias cores, e é possível aplicá-lo em todos os tipos de piso frio: porcelanatos, cerâmicas e pedras. Existem dois tipos de rejunte acrílico no mercado:

Monocomponente

O produto já vem pronto para usar. É só abrir a embalagem e usar, não precisa adicionar água ou qualquer outro produto.

Bicomponente

Por sua aditivação superior, ele possui alto desempenho. Tem textura fina e acabamento ultraliso, além de ser impermeável, o que o torna resistente a bactérias e fungos. Dá para aplicá-lo em cerâmicas, porcelanatos, mármores, granitos, pedras naturais e pastilhas de porcelana.

Pode ser usado em pisos e paredes, tanto em ambientes internos quanto externos e com juntas de 1 mm a 5 mm. Como é bicomponente, fique atento ao modo de preparo:

  • misture todo o componente de pó e líquido. Sim, todo o produto! Não dá para guardar para depois, portanto, o preparo deve ser feito em uma vez só;
  • todo o produto deve ser utilizado imediatamente;
  • nunca adicione água ou qualquer outro produto na mistura;
  • siga o tempo de cura descrito na embalagem. É importante respeitar esse tempo, pois, se passar demais, o produto pode secar muito, grudando nas bordas do revestimento, o que dificulta a etapa de acabamento e limpeza da superfície.

Não aplicar o produto em:

  • fachadas;
  • piscinas ou áreas muito molhadas;
  • saunas;
  • argamassa de assentamento em pastilhas de vidro ou porcelana;
  • superfícies expostas à alta temperatura, ácidos, bases e solventes químicos;
  • aplicação em base com temperatura menor que 10°C e acima de 30°C.

Como fazer a aplicação do rejunte

Cada tipo de rejunte tem o seu modo de preparo, mas a aplicação é igual em todos eles. Antes de tudo, você vai precisar fazer o cálculo da quantidade de material. Essa etapa é muito importante e deve ser feita antes de iniciar a aplicação.

Não adianta comprar um saco e achar que vai dar. É preciso calcular corretamente, porque o cálculo leva em consideração a largura das juntas em milímetros e o tamanho das peças em centímetros. Para facilitar a sua vida, utilize o simulador de consumo. A ferramenta levará em conta todos esses itens e o tipo de produto que você vai utilizar.

Sabendo a quantidade certa, aplique o produto com o auxílio de uma espátula plástica ou desempenadeira de borracha. A seguir, pressione a massa nas juntas, para que fiquem no nível da borda do revestimento. Em pedras naturais, aplique o rejunte somente nas juntas, para não espalhar o produto sobre a peça.

Depois de aplicado o produto, aguarde de 15 a 30 minutos e, com a ajuda de uma esponja umedecida em água limpa, faça o acabamento com movimento circulares. Mas tome cuidado para não passar a esponja encharcada, certo? Ela deve estar apenas levemente umedecida.

O tempo de cura é diferente em cada tipo de rejunte, então, aguarde o tempo correto antes de fazer a limpeza do revestimento com um pano úmido:

  • base cimentícia: aguarde 6 horas;
  • base acrílica: aguarde 8 horas;
  • base epóxi: pode variar entre 2 a 4 horas.

Como escolher o rejunte certo para sua obra

Agora você já conhece os três tipos de rejunte e sabe que todos eles servem para praticamente os mesmos locais. Mas como fazer a escolha certa? Leve em consideração os seguintes itens:

Cor

Escolher a cor do rejunte não é uma tarefa tão simples assim. Tenha cuidado para que o visual fique equilibrado. Se você quiser que fique com aparência contínua, como se não houvesse rejunte, o ideal é utilizar o rejuntamento da mesma cor do revestimento.

Agora, se você quiser destacar o rejunte, então, escolha uma cor que contraste. Inclusive, você pode utilizar o simulador de cores para testar várias opções. Para um ambiente mais básico, opte por cores neutras como as variações do cinza.

Material a ser assentado

O tipo de revestimento que você vai assentar também afeta na escolha do rejunte. Para porcelanato, revestimento cerâmico, pastilhas de vidro, porcelana e pedras, use o cimentício ou o acrílico. Já para pastilhas de metal, inox e espelhadas, use o rejuntamento cimentício especial.

Análise do local de aplicação e tamanho das juntas

Garanta que o revestimento a ser rejuntado tenha sido assentado há pelo menos 72 horas. Não aplique antes, pois isso poderá causar manchas no rejunte.

Para cada local, existe um tipo de rejuntamento específico. Por isso, você deve prestar atenção na descrição do produto.

  • salas e quartos: pode usar o de base cimentícia;
  • banheiro, cozinhas, lavanderias e garagens: rejuntamento acrílico é uma ótima opção;
  • piscinas, saunas e fachadas: tanto o de base cimentícia aditivado quanto o rejunte epóxi podem ser utilizados.

O tamanho das juntas também influencia a escolha do tipo de rejunte:

  • base cimentícia: em juntas de 2 mm a 10 mm;
  • base acrílico: em juntas de 1 mm a 5 mm;
  • base epóxi: em juntas de 2 mm a 8 mm para pisos, e 2 mm a 5 mm para paredes.

Antes da aplicação do rejunte, você deve conferir o piso ou a parede e seguir algumas recomendações importantes para não correr riscos desnecessários. Veja quais são elas:

  • limpe as juntas enquanto a argamassa colante estiver fresca. Isso facilitará o rejuntamento;
  • faça um teste para ter certeza do tamanho da junta, pois a medida errada pode comprometer a qualidade do acabamento;
  • nunca aplique o rejunte sobre base e argamassa colantes úmidas. Além de ocorrer perda de aderência, a água pode manchar o produto;
  • molhe a superfície do revestimento com água limpa antes de aplicar o rejunte. Esse procedimento facilita a aplicação e ajuda a deixar as peças limpas;
  • limpe as juntas. Não pode haver nenhum tipo de sujeira, como poeira, graxa, tinta etc.

Atenção para regiões litorâneas e úmidas

Algumas regiões são muito úmidas e acabam produzindo manchas nos rejuntes, devido ao surgimento de fungos. Por isso, para quem mora nessas regiões ou, se a casa é muito úmida, naturalmente, é preciso optar por revestimentos impermeáveis.

Outro problema é a areia em regiões litorâneas. Ela pode se acumular sobre o rejunte e causar manchas. Uma dica para disfarçá-las é utilizar a cor do revestimento mais escura. Em regiões litorâneas, utilize a tonalidade areia. Além disso, mantenha o rejunte sempre limpo.

Praticidade dos ambientes da casa

É importante considerar que a escolha do produto correto deixará o ambiente mais prático. Afinal, cada local tem uma função e a facilidade de limpeza dos rejuntes é um elemento a se considerar nesse momento.

Acabamento desejado

Você deve avaliar bem o tipo de acabamento que você quer para o rejuntamento, pois, para cada finalidade, existe o produto certo.

Para porcelanato, revestimento cerâmico, pastilhas de vidro, porcelana e pedras:

  • salas e quartos: se você usar o de base cimentícia, o acabamento será áspero;
  • banheiro, cozinhas, lavanderias e garagens: se você usar rejunte acrílico, o acabamento será liso;
  • piscinas, saunas e fachadas: se você usar o cimentício aditivado, o acabamento será áspero. Já se usar o rejunte epóxi, ele será liso;
  • pastilhas de metal, inox e espelhadas devem utilizar o rejuntamento cimentício especial, e o acabamento será áspero.

Algumas recomendações importantes

Instruções da embalagem

A primeira delas e mais importante é: leia sempre as instruções da embalagem do produto! Lá tem tudo! Para que serve, como preparar, como limpar etc. Então, enquanto estiver aplicando o produto, deixe a embalagem por perto. Ela pode ser muito útil.

Escolha adequada para áreas úmidas

Em áreas molhadas, como banheiro, escolha o rejunte cimentício com cuidado. Só use aquele que é indicado para áreas úmidas. Usar o mais barato pode acabar saindo caro no final.

Quantidade de água indicada

Para os rejuntes cimentícios, que precisam de água para o preparo, é importante que sempre seja adicionada a quantidade informada pelo fabricante, nem mais nem menos, ou você corre o risco de comprometer a qualidade final do produto.

Empoçamento

No banheiro, cozinha ou outros locais que tenham ralo, verifique se a caída da água está correndo bem. Não pode ter empoçamento, ou seja, a água não pode ficar parada. Caso isso aconteça, precisa ser consertado, senão a qualidade do rejuntamento será comprometida.

Tempo de limpeza das peças

Preste muita atenção ao prazo para fazer a limpeza das peças. Não deixe passar muito tempo, pois, se o rejunte endurecer sobre o revestimento, será muito trabalhoso fazer a limpeza e, em alguns casos, isso pode até comprometer todo o trabalho.

Rejuntes de cores que contrastam

Por fim, mas não menos importante, tome cuidado com a aplicação de rejuntamentos de cores muito diferentes, pois eles podem causar manchas no revestimento se ele for macio.

Como você viu até aqui, são diversos os tipos de rejunte e os cuidados que se deve ter para usar os mais adequados para cada ambiente e material. Fique atento às dicas que trouxemos neste texto para não errar na hora de fazer essa aplicação!

Agora que você já sabe tudo sobre os tipos de rejunte não pode deixar de conhecer a nossa empresa e saber mais sobre os nossos produtos. Acesse já o nosso site e entre em contato conosco!


Os comentários estão fechados.